28 anos depois, fica a recordação dos primeiros passos, das primeiras barreiras e orgulho por todo o trabalho e superação.”A questão que se coloca agora à equipa técnica da cooperativa (…) é a da continuidade. Continuidade esta que, a partir de Julho próximo, só será possível se as novas instalações tiverem sido construídas.
Parte do novo edifício, a erguer no terreno cedido pela Câmara será de oficinas destinadas a preparar os jovens para o emprego. A integração dos deficientes é quase impossível nas actuais instalações mas temos recorrido às entidades locais (Juntas de Freguesia, comerciantes e industriais) que cooperam connosco admitindo-os por um período de estágio. (…)
As vinte mil cartas ainda não seguiram pelo correio e o envio vai ser selectivo: primeiro os governantes! Se estes apostarem na viabilização do centro do ensino especial, os esforços dos técnicos da Rumo serão recompensados. Mas os grandes vencedores da aposta, serão, sem dúvida, as crianças com deficiência.”