História
1981 – 1986 – Escola de educação especial (Barreiro, Rua dos Combatentes da Grande Guerra)

A RUMO iniciou atividade em 1981, fruto da vontade de um conjunto de técnicos com experiência nas áreas da educação e reabilitação e envolvimento no Movimento da Escola Moderna.

 

Dos Estatutos iniciais (1981):

“Artigo 4º

A RUMO tem como princípios gerais:

a)    Respeito pelos princípios da Aliança Cooperativa Internacional;

b)    Respeito pela Declaração Universal dos Direitos do Homem, Declaração dos Direitos da Criança e Declaração dos Direitos Gerais e Particulares dos Deficientes Mentais, aprovadas pela ONU.

Artigo 5º

A RUMO tem como princípios específicos:

a)    Respeito pela Carta Pedagógica do Movimento da Escola Moderna;

b)    A articulação entre a educação, reabilitação e prevenção;

c)    A acção terapêutica/pedagógica como processo integrado no meio social, não segregada.”

 

O projeto RUMO visava, na sua fase inicial, a pesquisa e o desenvolvimento de perspectivas de intervenção inovadoras, que fossem adequadas ao incremento da inserção aos diferentes níveis de pessoas com deficiência.

Começou por intervir, desse modo, na área da reabilitação, fundamentalmente ao nível da educação, de crianças e jovens com deficiência, numa escola especial que geria e onde introduziu os princípios e práticas da Escola Moderna.

Iniciou em 1982 um projeto de inclusão de 7 crianças com deficiência na Escola Básica do 1º Ciclo (Lavradio), com apoio a todas as crianças das turmas recetoras, aos Professores e Pais.

Iniciou estágios de sensibilização e aprendizagem nas empresas, o que viria a tornar-se uma marca decisiva da Cooperativa.

Desenvolveu ações de formação para equipas técnicas, nomeadamente por pedido do Ministério da Educação, sobre Programas Individuais, Trabalho de Equipa e Transição da Escola para a Vida Adulta.

Em 1982 iniciou, com um conjunto de pais, um longo caminho que se traduziu na criação da NÓS, Associação de Pais e Técnicos para a Integração do Deficiente, em 1992.

 

 

 

1987 – Centro de formação profissional (Penteado)

Com a mudança para instalações no Penteado, Moita, a Rumo estendeu progressivamente a sua intervenção para a avaliação e orientação profissional, formação profissional, inclusão social e laboral e acompanhamento pós-contratação (a partir de 1988 com apoio do IEFP e FSE).

Participámos, desde 1990 até Dezembro de 1996, no Programa Integrado de Formação Profissional e Emprego de Pessoas com Deficiência da Península de Setúbal – PROISET – Programa promovido pelo Instituto de Emprego e Formação Profissional – Direcção de Serviços de Reabilitação, como projecto inovador, tendo assegurado a Rumo, através do seu Gestor Técnico, a coordenação na Península de Setúbal.

Por intermédio do PROISET, participámos nos Programas HELIOS I (como Actividade Modelo Local – AML) e HELIOS II.

No quadro do primeiro programa HORIZON, participámos no Projeto AGORA que visou o desenvolvimento, implementação e avaliação de um modelo inovador e transferível de formação profissional em empresa para pessoas com deficiência.

Procurámos com este projeto, incentivar a promoção do acesso das pessoas com deficiência ao mercado aberto de trabalho.

E foi através deste projecto que a Rumo veio a interligar-se com o movimento internacional de SUPPORTED EMPLOYMENT (Emprego Apoiado).

Desenvolvemos ainda no quadro do Programa HORIZON o Projecto SMEA, cujo objetivo foi conceber e implementar um Serviço de Acompanhamento Pós-Contratação, em articulação com os Centros de Emprego do Instituto de Emprego e Formação Profissional, assim como inserir em mercado de trabalho aberto, pessoas com quadros graves de deficiência, testando para esta população, as metodologias que vínhamos desenvolvendo.

Em 1982 iniciámos a actividade da Residência para jovens em risco, no Lavradio.

 

 

 

1995 – Transição da escola para a vida adulta de jovens com necessidades educativas especiais (Declaração de Salamanca) e incremento dos projetos transnacionais

Começámos a ser muito solicitados, nomeadamente pelas equipas do Instituto de Reinserção Social e pelos Conselhos Directivos das Escolas de 2º e 3º Ciclos e Secundárias, para fazer atendimento a população sem escolaridade básica por abandono escolar, desempregados e em sério risco de exclusão social.

Desenvolvemos, por isso, desde 1995 até 1997, o Projeto Youthin (Youthstart), com parceiros diversos, projeto este que visou desenvolver uma metodologia eficaz de transição dos alunos com necessidades educativas especiais da escola para a vida adulta (todos os jovens com dificuldades de progressão escolar, qualquer que fosse a razão para essas dificuldades).

Foram parceiros nacionais deste projeto, a Escola Básica de 2º e 3º Ciclos Quinta Nova da Telha / Barreiro, a Escola Profissional do Montijo, os Centros de Emprego do Barreiro e Montijo e o Instituto de Reinserção Social (Equipa do Barreiro).

Fomos ainda parceiros – 1998-1999 – do Departamento de Educação Básica no Projeto Proact (Eixo Youthstart), projeto que visava a disseminação dos resultados do Projecto Youthin a nível nacional e o estabelecimento de uma rede nacional de projetos locais de transição da escola para a inserção social e profissional de jovens em risco.

Aproveitando a colaboração estreita que já se verificava na nossa região entre a Rumo, os Centros de Emprego do IEFP e as cerca de 500 empresas já trabalhadas por nós, nessa altura, quisemos contribuir para envolver ainda outras entidades que no terreno fazem a deteção das pessoas que abandonaram o sistema educativo, que estão à procura do 1º emprego ou desempregados.

Considerámos imprescindível a criação de um serviço integrado de informação e aconselhamento, de avaliação e orientação profissional e emprego, que se assumisse como uma resposta alternativa para este tipo de população, que fosse bem conhecido e aceite pela população alvo, onde encontrassem uma alternativa para o tipo de vida que todos sabemos os parecia esperar.

A criação de tal serviço implicava o envolvimento e a participação direta dos serviços específicos dos Centros de Emprego, Centros Regulares de Formação Profissional, Rumo, Sistema Regular de Ensino, Equipas do Instituto de Reinserção, Empresas, jovens e suas famílias.

Desenvolvemos para tal, o Projeto Networks (Programa Horizon), em parceria com os Centros de Emprego do Barreiro e Montijo, AERSET (Associação de Empresários da Região de Setúbal), Associação Portuguesa de Deficientes e Associação Cultural de Surdos do Barreiro.

Na última fase (1998-2001) o Projeto Networks teve um novo desenvolvimento que visou, entre outros objectivos, a formação de técnicos especialistas de inclusão social (nas suas várias vertentes, educativa, profissional, tempos livres, outras).

Esta componente resultou de uma parceria transnacional iniciada há alguns anos, onde sobressaiu CHESHIRE COUNTY COUNCIL e UNIVERSITY OF OXFORD DELEGACY OF LOCAL EXAMINATIONS, do Reino Unido e OPEN TRAINING COLLEGE da República da Irlanda e inscreveu-se no movimento internacional de Emprego Apoiado (Supported Employment).

Outros parceiros eram provenientes da Grécia, Itália, Espanha, Alemanha e Holanda.

O projeto desenvolveu materiais de formação, preparou formadores e desenvolveu formação para um grupo experimental de técnicos candidatos ao perfil de técnicos especialistas de inclusão social, no período Outubro de 1998 a Julho de 2000.

Toda esta actividade se traduziu num progressivo envolvimento no movimento mundial de SUPPORTED EMPLOYMENT (Emprego Apoiado).

Mantivemos, por isso, uma constante ligação com diferentes parceiros europeus, no âmbito da EUROPEAN UNION OF SUPPORTED EMPLOYMENT (EUSE), de cuja direcção europeia fizemos parte durante 10 anos. Mantemos igualmente contactos regulares com parceiros de outros países, fora da Europa, particularmente com os Estados Unidos da América.

 

 

 

1997 – Pessoas em situação de desvantagem

A partir de 1997 pudemos desenvolver projetos de formação profissional no âmbito destinadas a pessoas desfavorecidas, inicialmente no âmbito das Medidas 3 e 4 do Sub-Programa Integrar e posteriormente em outros contextos e programas.

No domínio do acompanhamento pós-contratação, procuramos assegurar o desenvolvimento das carreiras profissionais das pessoas já contratadas, através duma intervenção articulada com os centros de emprego, associações empresariais e sindicais e pelo estudo directo da prestação profissional de cada uma das pessoas referidas.

No entanto a intervenção fundamental nesta área tem sido contribuir para a reconversão e recolocação em novo emprego, na medida em que a mudança sistemática do aparelho produtivo que se verifica nos nossos dias, muitas vezes a isso obriga.

Promovemos durante alguns anos, uma UNIVA – Unidade de Inserção na Vida Ativa, com a designação de REMPREGA, que colaborou com o Centro de Emprego do Barreiro na inserção social e profissional de jovens.

No domínio da intervenção educativa, e após as primeiras conclusões do Projecto Youthin, o Ministério da Educação autorizou o desenvolvimento do Projeto Transitar, a partir de 1997, com os mesmos objectivos e princípios, correspondendo, por isso este Projeto Transitar à passagem de um projecto com carácter experimental e inovador a um projeto corrente.

Com o Projeto Transitar, colaboramos na rede dos apoios educativos, particularmente no processo de transição da escola para a vida adulta, com escolas do ensino básico e secundário, numa perspectiva de construção da escola inclusiva.

Este projeto chegou a envolver 13 escolas do 2º e 3º ciclos e escolas Secundárias da Península de Setúbal.

Participámos desde Julho de 1999 até ao final de 2000, no projeto experimental do IEFP – INTEGRAR PELOS CENTROS DE EMPREGO – colaborando com o Centro de Emprego de Almada na inserção de desempregados de longa duração.

Promovemos desde Janeiro de 2000, com o apoio do IEFP, através do Centro de Emprego do Barreiro; e da Câmara Municipal do Barreiro, sete empresas de inserção (Mercado Social de Emprego), na área da prestação de serviços de alimentação e apoios pedagógicos a crianças dos jardins-de-infância e escolas do 1º ciclo do ensino básico do Concelho do Barreiro.

Participamos com o Centro de Emprego do Montijo, Centro de Emprego do Montijo, Hospital Nossa Senhora do Rosário (Barreiro) e outras entidades, num projeto experimental, reconhecido como inovador pela Comissão Executiva do IEFP, e inscrito na Rede Regional de Emprego da Península de Setúbal, de inserção social e profissional de doentes mentais crónicos.

Coordenámos a elaboração e negociação, assim como no desenvolvimento da ESCOLA INCLUIR, um projeto de educação – formação (Despacho Conjunto 897/98, de 6 de Setembro), destinado a alunos que concluíram o 7º ano de escolaridade e que visou a aquisição do 9º ano de escolaridade e qualificação profissional de nível II, a que se seguiu a inserção profissional.

Este projeto foi uma parceria entre a Câmara Municipal do Barreiro, Centro de Emprego do Barreiro, Centros de Formação Profissional de Setúbal e Seixal, Escolas Secundárias de Stº António e Stº André (Barreiro) e a RUMO, e foi reconhecido pela Rede Regional de Emprego de Setúbal.

Decorreu, na sua primeira fase, entre Setembro de 2000 e Julho de 2002 e na segunda fase de 2002 a 2004.

 

No âmbito das parcerias transnacionais que temos estabelecido nos últimos anos de atividade da RUMO, particularmente a partir de 1991, diversas áreas de intervenção têm merecido a nossa atenção.

Uma dessas áreas foi o fortalecimento da intervenção dos grupos de auto-determinação (self-advocacy) e dos pais de crianças e jovens com deficiência.

A RUMO contribuiu para o surgimento de um dos primeiros grupos de auto-determinação – OS AMIGOS – que tem desenvolvido diversas iniciativas na Península de Setúbal.

Estamos interessados na formação destes grupos, razão porque nos envolvemos num projeto – PARTNERS IN POLICYMAKING – Leadership for Change – European Dimension – promovido pelo National Development Team (Reino Unido), com parcerias em Portugal (RUMO) e Alemanha (Tse), e aprovado pela Comissão Europeia (DGV/E/4).

Este projeto teve como grande objetivo a formação de pessoas com deficiência (adultos) e pais de crianças com deficiência, numa perspectiva de liderança para a mudança e tem atrás de si alguns resultados significativos, particularmente nos EUA, onde já foram formadas mais de 8000 pessoas.

Pretendeu-se com o desenvolvimento deste projeto adaptá-lo a cada uma das realidades nacionais e torná-lo compatível com a dimensão europeia, perspectivando uma intervenção também neste nível.

A parceria com o SNRIPD enquadrou-se no posicionamento estratégico nacional em que esta estrutura está colocada, bem como na intervenção que vem desenvolvendo ao longo da sua história, cuja mais valia de experiência, know-how e relacionamento inter-institucional, pode potenciar a promoção dos objetivos deste projeto.

Foi também parceiro deste projeto o grupo “OS AMIGOS”.

O Projeto REDE ECOS (Programa Leonardo Da Vinci) assentou num unir de esforços de duas escolas do antigo “ensino especial”- o ABC e o Arco Iris – com a RUMO, constituindo-se em parceria nacional da iniciativa, à qual foi aglutinada a parceria transnacional, constituída por Inspecção Escolar de Botosani (Roménia) Escola Internato para Surdos de Bratislava (Eslováquia) e Instituto Superior de Formação de Professores do Pays de La Loire (França).